O tratamento

O tratamento de base da epilepsia é realizado com medicamentos, com o uso das chamadas drogas antiepilépticas (DAE) (fenobarbital, carbamazepina, ácido valpróico, oxcarbazepina entre outras), que são efetivos em cerca de 70% dos casos para o controle das crises.

Porém, quando os medicamentos não agem de forma efetiva, pode ser indicado, com a devida análise do caso, o tratamento cirúrgico.

Existem ainda outras opções quando o tratamento cirúrgico não é viável, como: estimulação do nervo vago e dieta cetogênica. Esses tratamentos não são os de primeira escolha e devem ser avaliados caso a caso pelo neurologista do paciente em conjunto com o neurocirurgião.